top of page
Mulheres daqui e de lá:  autoras negras contemporâneas e suas personagens, com Marina Candido
Mulheres daqui e de lá:  autoras negras contemporâneas e suas personagens, com Marina Candido

Mulheres daqui e de lá: autoras negras contemporâneas e suas personagens, com Marina Candido

Datas: 11, 18 e 25 de abril e 02 de maio (quintas-feiras) Horário: das 19h30 às 21h

As inscrições estão encerradas
Consulte a nossa agenda

Local e Horário

11 de abr. de 2024, 19:30 – 02 de mai. de 2024, 21:00

Transmissão via Zoom

Sobre o Evento

Um curso voltado para a análise de personagens femininas nas obras de duas autoras contemporâneas: Água de barrela, da brasileira Eliana Alves Cruz e Essa dama bate bué, da angolana Yara Nakahanda Monteiro. Para pensar sobre a escrita dessas mulheres vamos partir de uma abordagem afrocentrada e transdisciplinar.

Ambas as narrativas apresentam histórias de família complexas, marcadas pela violência, pelo racismo, pela guerra e pela separação. O que, por que e como escrevem as autoras negras contemporâneas? Quem são as mulheres representadas nestas histórias? Que imagens têm sido criadas por essas autoras e como tais imagens impactam na maneira através da qual enxergamos e entendemos o que é ser uma mulher negra?

Nossos encontros vão se debruçar sobre essas e outras perguntas. A complexidade e profundidade da escrita dessas mulheres vão nos levar a pensar sobre história, filosofia, religião, mas acima de tudo na força e na beleza da escrita.

Trechos das obras serão lidos durante as aulas, não é necessário o conhecimento prévio dos livros.

Programação

Aula 1

Neste primeiro encontro, o objetivo é discutir sobre a importância de considerar teorias afrocentradas e a cosmovisão africana ao ler e analisar obras de autoras africanas e afrodescendentes e a insuficiência do arcabouço teórico ocidental para dar conta da complexidade da escrita e do sujeito negro.

Aula 2

Esse encontro será dedicado a refletir sobre o projeto estético da autora brasileira Eliana Alves Cruz e as estratégias utilizadas na construção de suas personagens femininas na obra Água de barrela (2018).  Vamos conversar sobre a travessia transatlântica e o rompimento físico e intelectual causado por ela. Também vamos falar sobre a fabulação crítica, conceito desenvolvido por Saidiya Hartman cujo cerne é trazer a existência, uma história a partir do desconhecido, do imponderável, do impossível.

Aula 3

Nosso terceiro encontro será dedicado a refletir sobre o projeto estético da autora angolana Yara Nakahanda e as estratégias utilizadas na construção de suas personagens femininas na obra Essa dama bate bué (2018).  Vamos discutir sobre os processos históricos que culminaram na guerra civil de Angola, que tem papel importante na história pessoal da personagem Vitória Queiroz da Fonseca. Também vamos discutir sobre a memória e a intersecção entre raça, gênero e sexualidade.

Aula 4

Em nosso último encontro, vamos conversar sobre ambas as obras refletindo sobre os pontos de aproximação e distanciamento entre as narrativas. Tendo em mente o apagamento sistêmico do sujeito negro e africano, discutir como a obra de Eliana Alves Cruz e Yara Nakahanda Monteiro contribuem para o entendimento e conhecimento das mulheres negras e sua participação na História.

Não há pré-requisitos. Todos os interessados em literatura são bem-vindos.

>> As aulas ficam gravadas e você pode assistir posteriormente.

>> Emitimos certificado de participação!

Marina Ribeiro Candido é graduada em Letras (2010), especialista em Literatura (2014), mestre em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP (2022) e doutoranda com bolsa Capes pelo mesmo programa. Atua no mercado editorial há mais de dez anos, desenvolvendo projetos didáticos e literários. Autora de livros e manuais didáticos. Pesquisadora-fundadora do Grupo de Pesquisa de Literaturas e Ancestralidades Negras – GPLAN da PUC-SP.

Estes valores têm um caráter de doação e serão usados para financiar os projetos d'A Capivara Instituto Cultural.

Ingressos

  • Bolsa Social

    Destinado a estudantes de graduação e pós, bolsistas CAPES/CNPq e pessoas em situação de vulnerabilidade social, por questões de raça, gênero, orientação sexual, outras. (*Vagas Limitadas)

    R$ 85,00
  • Contribuição Tô podendo

    Esse tipo de doação nos ajuda a manter o programa de bolsas para as pessoas em situação de vulnerabilidade.

    R$ 180,00
  • Contribuição Tô dura

    Essa doação nos possibilita manter A Capivara Instituto Cultural em operação.

    R$ 100,00

Total

R$ 0,00

Compartilhar evento

bottom of page