top of page
VANGUARDAS do século XX: a revolução liderada pela poesia com Dirceu Villa
VANGUARDAS do século XX: a revolução liderada pela poesia com Dirceu Villa

VANGUARDAS do século XX: a revolução liderada pela poesia com Dirceu Villa

Dias 01, 08, 15 e 22 de Setembro (quartas-feiras), das 19h30 às 22h00. Transmissão pelo Zoom. (Pagto. em até 12X)

As inscrições estão encerradas!
Consulte a nossa agenda

Local e Horário

01 de set. de 2021, 19:30 – 22 de out. de 2021, 22:00

Transmissão via Zoom.

Sobre o Evento

O poeta, tradutor e ensaísta Dirceu Villa, professor há mais de um ano em nossas oficinas de poesia, chega com um novo curso para o Setembro das Vanguardas, aqui n’A Capivara

VANGUARDAS do século XX

a revolução liderada pela poesia

Veremos, em 4 encontros, 4 movimentos que dinamizaram a percepção nova de um mundo novo, suas influências em outros movimentos e no nosso modo de viver.

No começo do século XX grupos de artistas e poetas tomaram a dianteira em trazer não só uma nova percepção, mas também a crítica feroz de um mundo cada vez mais maquinal, de velocidade e eficácia desumanas, e de guerra: por isso, vanguarda, termo do jargão da guerra, significando o destacamento que se arrisca na frente, neste caso, nas trincheiras da arte.

À beira da Revolução Russa, de duas guerras mundiais, do crescimento vertiginoso do capitalismo industrial e de uma pandemia (a gripe espanhola), diante de uma mudança de paradigma nas relações sociais semelhante à que vivemos, o curso é um incentivo para descobrirmos, há um século, as forças que, a partir da poesia, fizeram semear na mente coletiva uma reação que seria plenamente colhida nos grandes levantes estudantis da década de 1960.

Tome nota:

* 4 Aulas on-line via Zoom

* Datas: 01/09, 08/09, 15/09 e 22/09 (quartas)

* Horário: das 19h30 às 22h00

DO QUE VAMOS TRATAR:

1) CUBISMO frequentemente pensado apenas como movimento de artes plásticas que começou a surgir por volta de 1907, com as Demoiselles d’Avignon, de Picasso, o cubismo gerou uma literatura vigorosa na prosa e na poesia, como veremos em Gertrude Stein, Jean Cocteau, Ezra Pound, James Joyce, Blaise Cendrars, Guillaume Apollinaire, além da ligação com o cubofuturismo russo; veremos como um detalhe do conceito de tempo passou despercebido da maior parte da crítica;

2) DADA o mais incompreendido dos movimentos de vanguarda, dada foi também o menos lido, graças ao fato de estar escrito sobretudo em alemão. Não obstante, terá sido o mais revolucionário, e repleto de poetas inovadores, como Francis Picabia, Hugo Ball, Emmy Hennings (também dona e fundadora do Cabaret Voltaire), Kurt Schwitters, Hans Arp, Tristan Tzara, Elsa von Freytag-Loringhoven, além daqueles e daquelas que, não sendo propriamente dadaïstas, tomaram de dada um foco muito importante, como a poeta inglesa Mina Loy;

3) VORTICISMO igualmente pouco conhecido, o vorticismo tomou alguns aspectos da aceleração de velocidade perceptiva do futurismo e acrescentou um dinamismo que possuía também bases ancestrais, neste que é um movimento tipicamente inglês. Leremos Ezra Pound, T. S. Eliot, Wyndham Lewis, Rebecca West, para compreender como a hipótese do vórtice canalizava as energias centrípeta e centrífuga numa nova arte que escandalizou não pouco a facilmente escandalizável Inglaterra, e como a máquina se vingou do artista Jacob Epstein;

4) ANTROPOFAGIA Partiremos do Manifeste Cannibale (1920) de Francis Picabia, da “fome total nas ideias”, e o traremos para junto da Antropofagia (1928) de Oswald de Andrade, que tinha muitos traços de personalidade em comum com Picabia, e desdobrou muito a invenção francesa, que se tornou, deglutida, inteiramente brasileira: leremos das duas dentições do movimento, Oswald de Andrade, Pagu, Raul Bopp, Alcântara Machado, Murilo Mendes, e entenderemos como deram as bases para a Tropicália, nos anos 1960.

DIRCEU VILLA (1975, São Paulo) é poeta, tradutor e ensaísta, autor de 6 livros publicados de poesia, MCMXCVIII (1998), Descort (2003, prêmio Nascente), Icterofagia (2008, ProAC), Transformador (antologia, 2014), speechless tribes: três séries de poemas incompreensíveis (2018) e couraça (2020). É tradutor de Um anarquista e outros contos, de Joseph Conrad (2009), Lustra, de Ezra Pound (2011), Famosa na sua cabeça, de Mairéad Byrne (2015), “O Chamado de Cthulhu”, de H.P. Lovecraft (2020) e “O Anjo Heurtebise”, de Jean Cocteau (inédito).

Ensinou literatura na pós lato-sensu da Universidade de São Paulo (USP), na graduação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), além de lecionar em cursos livres de escrita, como o Clipe, da Casa das Rosas, 2018-9, e cursos de escrita inventiva no b_arco (em parceria com Ana Rüsche), em 2008, e no Clube dos Hussardos, em 2014. É há sete anos professor da Oficina de Tradução Poética da Casa Guilherme de Almeida (Centro de Estudos de Tradução Literária), e professor do Laboratório do Poema há um ano n'A Capivara.

Ingressos

  • Inscrição Integral

    (Pagto. em até 12X)

    R$ 290,00
  • Inscrição + Doação

    (Pagto. em até 12X) - A quantia doada acima do valor integral do ingresso nos ajuda a manter o nosso programa de bolsas (apoie um aluno)

    R$ 390,00
  • Inscrição Ex-alunos Capivara

    (Pagto. em até 12X) - Destinado exclusivamente aos alunos que já fizeram algum de nossos cursos pagos

    R$ 260,00
  • Inscrição Social (50%off)

    (Pagto. em até 12X) – Destinado a estudantes de graduação e pós graduação, bolsistas CAPES/CNPq e pessoas em situação de vulnerabilidade social. (Vagas Limitadas)

    R$ 145,00

Total

R$ 0,00

Compartilhar evento

bottom of page