top of page
ESCREVER SEM ESCREVER – leitura como escrita no século XXI, com Leonardo Villa-Forte
ESCREVER SEM ESCREVER – leitura como escrita no século XXI, com Leonardo Villa-Forte

ESCREVER SEM ESCREVER – leitura como escrita no século XXI, com Leonardo Villa-Forte

Datas: 10, 17, 24 e 31 de agosto (quintas-feiras) Horário: das 19h30 às 21h30

As inscrições estão encerradas
Consulte a nossa agenda

Local e Horário

10 de ago. de 2023, 19:30 – 31 de ago. de 2023, 21:30

Transmissão via Zoom

Sobre o Evento

Os quatro encontros teórico-práticos têm como base a pesquisa que resultou no livro Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI, (Menção Honrosa no Prêmio Casa de Las Américas 2020), acrescida de novos estudos sobre a cultura vista, nas últimas décadas, como arquivo a ser lido, revisto e retrabalhado, em grande parte, uma ação estimulada pela linguagem digital. Serão expostas propostas, feitas ao longo do século XX e chegando ao XXI, de escritas e jogos artísticos que trabalham a relação entre fontes/origens e deslocamentos/reescritas, como colagens, citações, piratarias, desleituras e outras formas de habitar o texto.

Vamos pensar o que acontece com a linguagem hoje, em sua relação com as mídias, com a leitura e sua força expressiva, tomando como exemplo textos de escritores, tradutores, poetas e artistas, tais como, Angélica Freitas, Veronica Stigger, André Capilé, Guilherme Gontijo Flores, Pedro Eiras, Marta Barcellos, Roy David Frankel, Marília Garcia, Adelaide Ivánova, Rui Pires Cabral, Alejandro Zambra, Jorge Miranda, Jen Bervin, Kenneth Goldsmith, Jonathan Safran Foer, Vanessa Place, Johanna Drucker, além de obras musicais e audiovisuais de DJs e artistas.

A discussão circula em torno das noções e práticas de remix, gênio não-original, pós-espanto, escrever sem escrever, escrever a leitura, escrita sampler, poesia conceitual, leitura deformativa, tradução-exu e, na falta de nome melhor, literatura expandida. Para isso, visitamos pensadores como Lev Manovich, Antoine Compagnon, Eduardo Navas, Marjorie Perloff, Graça Capinha, Alberto Pucheu, Fred Coelho e Mauro Gaspar, Ana Pato, Fernanda Bruno, Byung Chul-Han, Gilles Deleuze, Hal Foster e Arthur Danto, entre outros.

O que pode a escrita hoje, em um estado de tantos deslocamentos? O que pode a leitura hoje, em um estado de tantas derivações? Fazer com, fazer por meio de, fazer em reunião, fazer através, desfazer,não fazer. Autorias como curadorias. Gestos de DJs ou máquinas. Transcriação e perversão. Escritas de leitores. Leituras que já são escritas. Os textos que nos leem. Nós que lemos os textos.

O primeiro e o segundo encontro serão expositivos. No terceiro e no quarto, haverá uma parte expositiva e outra de leitura e comentários sobre exercícios práticos dos participantes.

PROGRAMAÇÃO:

Aula 1

> O ar do tempo

> Linguagem: água do aquário

> Vanguardas históricas

> A colagem e o deslocamento enquanto novos rumos para a arte

> A morte do autor – mas de qual falávamos?

> A mesa de trabalho se transforma: contextualização de uma situação remix

> DJs, mash-ups, versões, recombinações

> Precariedade e criação. Recepção e produção. Pós-produção

> Nós, semionautas

> Cultura como arquivo

> E o Sul com isso?

> Alterar

> Amostra de obras inseridas neste contexto

Aula 2

> Tecnologia e percepção: a linguagem dos novos meios

> Velocidade: fragmento: distribuição de começos

> O trabalho da citação

> Percurso como escrita

> Leitura como percurso

> Linguagem como matéria

> Restrição como impulso

> Moving information: a informação que nos move e nós que movemos

> Escrita criativa e escrita sem escrever. Escrever com. Escrever através. Transcrever. Reunir a leitura.

> Arqueologia da linguagem

> Tradução e perversão

> Amostra de obras contemporâneas

> Proposta de exercício

Aula 3

> Escrever a leitura

> Desempacotar a biblioteca

> Leitura deformativa

> Seja bem-vindo o erro

> Circuito, bordas, proximidades imprevistas

> Narrativa, montagem, arquivos de si

> Escrita conceitual

> Poesia sem espanto?

> Show, don’t tell - Expor e contar. Mostrar e narrar

> Leitura de exercícios

> Proposta de novo exercício

Aula 4

> Drama na era dos dados

> O sujeito quantificado

> Excesso e insensibilidade

> Arte e texto na era da biopolítica

> Interface como forma poética

> Rastros, traços, vestígios

> Desvirtualização

> Conversa aberta e leitura de exercícios

Leonardo Villa-Forte é escritor e pesquisador. Autor de Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI, ensaio agraciado com Menção Honrosa no Prêmio Casa de Las Américas 2020; O princípio de ver histórias em todo lugar, romance; O explicador, contos; Agenda (megamíni, 7letras), Hotel (conto, Amazon). Contribuiu para revista serrote, Blog do IMS, Revista Pessoa, Época, entre outros. Criou o Paginário, série de murais em cidades de Brasil, Portugal e Espanha, e o MixLit – O DJ da Literatura, plataforma de literatura remix. Formado em Psicologia pela UFRJ, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-RJ.

Ingressos

  • Inscrição Integral

    (Pagto. em até 3X no cartão)

    R$ 370,00
    Vendas encerradas
  • Inscrição Social (50%off)

    Destinado a estudantes de graduação e pós graduação, bolsistas CAPES/CNPq e pessoas em situação de vulnerabilidade social. (**Vagas Limitadas)

    R$ 185,00
    Vendas encerradas
  • Inscrição + Doação

    (Pagto. em até 3X no cartão) A quantia doada acima do valor integral do ingresso nos ajuda a manter o nosso programa de bolsas. Apoie um aluno! Conheça mais sobre o projeto: www.bit.ly/blscapi

    R$ 470,00
    Vendas encerradas
  • Inscrição Ex-alunos Capivara

    (Pagto. em até 3X no cartão) Destinado exclusivamente aos alunos que já fizeram algum de nossos cursos pagos.

    R$ 333,00
    Vendas encerradas

Total

R$ 0,00

Compartilhar evento

bottom of page